Investir, ou não investir? Ei$ a questão! | Dênis Leite

automação para competitividade

Investir, ou não investir? Ei$ a questão!

Não é fácil valorar em termos monetários, benefícios como:

  • Segurança e Confiabilidade em Sistemas Críticos
  • Gerência de Informações de Tempo Real
  • Otimização de Informações, no Sentido de Fornecer uma Interface Homem Máquina Apropriada
  • Identificação e Gerenciamento de Falhas em Sistemas de Produção
  • Comunicação Segura entre Dispositivos Heterogêneos
  • Garantia de Qualidade

Se por um lado, existe entre os dirigentes industriais um consenso de que não investir em tecnologia é uma estratégia de altíssimo risco, por outro, os métodos mais usados de avaliação de projetos de investimentos contribuem para a rejeição de projetos de longo prazo.

O Payback time, por exemplo, um dos mais populares critérios de decisão sobre investimentos, é o maior vilão dos projetos de retorno a longo horizonte. Seu maior defeito está na desconsideração dos retornos advindos após o tempo em que se busca o retorno do investimento. Quando uma empresa decide que investirá apenas em projetos cujo retorno ocorra em 2 anos, ela está desprezando todo o retorno que possa ser obtido, após os 2 anos, que muitas vezes não demanda esforço adicional algum. Assim, um investimento cujo retorno após os dois anos é ZERO, compete de igual pra igual com outro cujo retorno após os 2 anos é alto, sob a ótica do Payback time.

A literatura financeira dispõe que a combinação do VPL(Valor Presente Líquido) com a SMC(Simulação Monte Carlo) oferece uma das melhores estimativas do retorno de um projeto de investimento. Sua aplicação é simples, e a confiabilidade depende das estimações do comportamento das variáveis econômicas (demanda, taxa de juros, custos etc).

Como não é possível prever o futuro, deve-se estimar diversas possibilidades (analisar cenários). Com o auxílio de planilhas eletrônicas, essa tarefa torna-se simples, e oferece indicadores seguros desde que aplicada com base em informações consistentes. Acredite, isso chama-se simulação, e não é um bicho de 7 cabeças.

A Simulação Monte Carlo (SMC), por exemplo, técnica largamente utilizada para se avaliar investimentos, nada mais é que a geração de uma tabela com inúmeras possibilidades do que pode ocorrer (10 mil estimações do VPL de um projeto, por exemplo),  da qual se extrai a média e o desvio padrão. Qualquer planilha eletrônica faz isso.

A parte mais importante da simulação está na estimação dos comportamentos de variáveis econômicas e operacionais. Ou, nas respostas às seguintes perguntas:

  • Quão mais venderei ao ano?
  • Quão mais economizarei ao ano?
  • Quantos porcento pode variar a taxa de juros?
  • Como variarão meus custos?
  • Quão mais clientes conquistarei?
  • Que preço praticarei?

Note-se que os benefícios descritos no início deste artigo de nada servem se não contribuirem para os objetivos estratégicos da empresa, que incluem as respostas para as questões acima relacionadas. Quando se investe num sistema de inspeção visual automática, por exemplo, aumenta-se a garantia de qualidade dos produtos colocados no mercado, e, consequentemente, aumenta-se seu valor, fortalece-se a marca, vende-se mais e cobra-se mais caro.

Boas fontes de informações sobre análise de investimentos são o Google Adacemics e a Wikipedia(para contatos iniciais). Quem tiver interesse em maiores detalhes, pode me contatar através do e-mail denis@mekatronik.com.br ou da área de comentários do site. Estamos em constante contato com especialisas do PPGEP e do PIMES da UFPE.


3 Comments

  • Oi Dênis,

    Compartilho da sua opinião. Na área de software também existe essa grande barreira de algumas empresas confundirem “investimento” com “gastos”. Se o projeto é algo que traga resultados, ou em otimização de recursos ou aumento de lucros, vale a pena, basta apenas, como você mencionou, colocar no papel (planilha) e analisar.

    Abraço,

    Luciano Ayres
    http://blog.lucianoayres.com.br

  • Olá Denis, tudo bom, estou desenvolvendo um trabalho para o tcc de conclusão do curso técnico em eletrônica, estou tentando fazer um elevador, poderia me ajudar?

    vou controlar essse elevador com plc logo(siemens), inversor e motor . é´possível?

    o mais importante naum consigo fazer o diagrama em bloco do elevador….ele vai ter 3 andares poderia passar a lógica em ladder pra mim…mais ou menos pra eu ter uma noção…
    vou usar um fim de curso ( micro), para parar nos andares, mais a lógiac não consigo fazer, pode me dar uma idéia…

  • Oi Rogério, como vai?

    Posso sim ajudá-lo. Como seu elevador terá 03 andares, acredito que o melhor caminho é utilizando o conceito de “máquinas de estados”. Você já o conhece?

    Em síntese, você deve pensar nos estados em que o elevador pode estar e nomear bits de memória para representá-los. Por exemplo:

    M0.0 – Elevador no terreo
    M0.1 – Elevador subindo do térreo para o 1o andar
    M0.2 – Elevador no 1o andar
    M0.3 – elevador subindo para o 2o andar
    M0.4 – elevador no 2o andar
    M0.5 – elevador descendo para o 1o andar
    M0.6 – elevador descendo para o terreo.

    Depois o que você tem que pensar é: bem, se o elevador está no térreo, ele irá ao 1o andar se o usuário pressionar o botão 1o andar da cabine, ou outro usuário “chamar” o elevador pressionando o botão no 1o andar. Se uma dessas condições for satisfeitas, você RESETA o bit de “elevador no térreo”(M0.0), e SETA o bit de “elevador subindo para o 1o andar(M0.1), e assim por diante.

    Depois que você modelar todos os estados e condições, você parte para as ações. Ou seja, o inversor vai comandar o motor para subir nos estados (M0.2 e M0.4) e vai comandá-lo para descer nos estados (M0.5 e M0.6).

    Se você ainda não conhecia esse conceito, imagino ter jogado uma “enxurrada” de fundamentos pra você que normalmente são conteúdo de algumas horas de aula. Mas façamos o seguinte, dê uma lida no material dos links abaixo, visite os outros links que eles recomendam, pesquise sobre “máquinas de estados” ou “state machines”, e depois me dê um retorno. Eu tenho inclusive alguns programas de elevadores prontos, mas prefiro ensinar a pescar a dar o peixe.

    Estou à disposição.

    http://www.brasiltech.net/developez/2008/02/22/mini-tutorial-de-maquina-de-estado-state-machine-parte-1/

    http://www.brasiltech.net/developez/2008/02/28/mini-tutorial-de-mquina-de-estado-state-machine-parte-2/

Post a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Spam Protection by WP-SpamFree

  • Categorias