Warning: include_once(/home/denisleite/denisleite.com/wp-content/plugins/wordsocial/wordsocial.php): failed to open stream: Permission denied in /home/denisleite/denisleite.com/wp-settings.php on line 255

Warning: include_once(): Failed opening '/home/denisleite/denisleite.com/wp-content/plugins/wordsocial/wordsocial.php' for inclusion (include_path='.:/usr/local/lib/php:/usr/local/php5/lib/pear') in /home/denisleite/denisleite.com/wp-settings.php on line 255
Profibus DP: diferenças entre usar uma CPU-DPM e um módulo no rack. | Dênis Leite

automação para competitividade

Profibus DP: diferenças entre usar uma CPU-DPM e um módulo no rack.

Fui recentemente questionado sobre as diferenças entre utilizar uma CPU com interface Profibus DP nativa, ou um módulo DP Mestre no rack. Percebi então que vale à pena discutir o assunto e realçar detalhes que fazem TODA A DIFERENÇA.

O que é uma interface DPM nativa?

Todo e qualquer módulo que esteja conectado ao barramento da CPU se comunica com ela através da área de memória de periferia, conforme Figura 1. Quando a CPU deseja acessar uma informação de um módulo de Entradas Digitais, por exemplo, ela lê o espaço de memória de Periferia de Entrada (PI) reservado para o módulo específico no HW Config. Para uma CPU com porta DP nativa, a periferia DP e a periferia do barramento estão em sincronismo com o ciclo da CPU e Ambos compartilham uma mesma área de memória de periferia. Dessa forma, uma remota nada mais é do que uma expansão de sua periferia e se trabalha como se o módulo estivesse conectado diretamente ao barramento da CPU.

Interface Profibus DP Mestre Nativa (DPM)

Figura 1. CPU (VIPA ou Siemens) com interface DPM nativa.

Quando se adiciona um módulo profibus-DP ao barramento de uma CPU, estamos criando dois barramentos de periferia, os quais não estão sincronizados com o ciclo da CPU, como pode ser visto na Figura 2. Dessa forma, quando se trabalha com módulo profibus Mestre, não se acessa a periferia diretamente, mas sim um DB que servirá de “buffer” na troca de dados com as remotas da rede Profibus-DP. Para isso será necessário chamar o FC1 e o FC2 da biblioteca da Siemens para realizar essa troca de dados.

Módulo Profibus DPM integrado no rack

CPU sem DPM nativo + módulo DPM no barramento.

Quando se utiliza uma CPU com interface Profibus DPM nativa, é transparente para quem desenvolve o projeto se o módulo de I/O está no rack central ou na periferia. No hardware configurator simplesmente determina-se que o terceiro módulo de entrada digital de 16 pontos, da remota 35 terá endereços 10 e 11 e pronto! A entrada I10.1, por exemplo, será tratada como se estivesse no rack central. Ou seja, “basta colocar lá o contatinho e escrever I10.1”.

No caso de se utilizar uma CPU + Módulo DPM no barramento, essa entrada precisará ser referenciada a uma memória através do bloco de configuração do módulo DPM.

Concluindo, trabalhar com Profibus DP é fácil. Se a interface está integrada à CPU, é muito fácil, ou seja, não faz diferença na hora de programar, se o módulo está no rack ou na periferia.

A VIPA aposta nas CPU com DPM nativo. Pela minha experiência, não é vantagem integrar um módulo no rack nem técnicamente nem comercialmente. Temos modelos dom 1 e 2 interfaces DPM integradas.

Agora… você pode me perguntar pra quê duas interfaces DPM? … mas isso são cenas dos próximos capítulos.

Gostou do conteúdo? Assine nossa newsletter!

Como sabemos que ninguem tem tempo a perder, condensamos o material e enviamos os headlines uma ou duas vezes ao mês.


6 Comments

  • Excelente post!!

    Isso é bem parecido com o que acontece com a rede Device Net (pelo menos com plc’s Allen Bradley que é os que tenho mais contato) acontece o mesmo, se vc ultrapassar os endereços que o módulo D-Net disponibiliza ele cria tipo uma imagem, um buffer de memória, dae o endereçamento fica bem diferente.

    Parabéns pelo blog de excelente qualidade, sempre trazendo informações úteis e atualizadas!!

  • Muito obrigado André, a idéia é compartilhar conhecimentos! Confesso que não conheço muito dos detalhes da Device Net.
    Atualmente estou trabalhando na Orkan com projetos e treinamentos de Step7. Você trabalha com integração de CLPs Rockwell?
    Fique a vontade para colocar características sobre a DeviceNet nesse post para irmos aumentando o conhecimento!
    Abs,
    rodolfo

  • Eu que fico agradecido em poder ajudar! Eu já fui integrador Rockwell, agora trabalho como Técnico em Automação em um laticinio aqui da região e nosso sistema é todinho Rockwell, só alguns maquinários muito específicos que vem com Siemens, se preferir eu preparo um material da D-net com exemplos e tudo mais pra vocês postarem aqui.

    Forte abraço,

    André

  • Estou me formando em Automção industrial, e estou sempre procurando por conteudos dessa natureza que me ajundam a intender melhor o mundo da automação!! Parabens pelo post.

Post a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Spam Protection by WP-SpamFree

  • Categorias